Praia do Tapiá ou do Godoy

A Praia do Tapiá ou também conhecida como Praia do Godoy, tem seu acesso por trilha, e é uma pequena praia de areias brancas com ondas fortes, lajes submersas e muito frequentada por surfistas. O nome original Praia do Godoy, é devido ao antigo proprietário de parte de suas terras.

Praia do Tapiá

O seu acesso é por trilha que se inicia no canto esquerdo da Praia da Enseada, passando pela Prainha da Enseada, e após 1,7 Km, pelo acesso à Praia de Fora, e com aproximadamente 2,6 Km e cerca de 50 minutos de percurso chega-se à Praia do Tapiá.

Essa trilha ligava a região sul de Ubatuba ao centro, antes da construção da estrada Rio-Santos, passando pela Ponta da Espia, que é o ponto mais próximo do continente com a Ilha Anchieta (cerca de 500 metros), o chamado Canal do Boqueirão. A trilha é percorrida em sua maior parte do tempo, dentro da Mata Atlântica, com vários pontos de exuberante visualização da Ilha Anchieta, Ilha das Cabras, Praia de Fora e uma linda aproximação da Praia do Tapiá.

Praia do Tapiá - Chegada

A trilha é de dificuldade fácil a moderada, com muitos aclives e declives, pontos de atenção devido a erosão, árvores caídas e estreitamento em alguns trechos.

Para os mais aventureiros, um pouco antes da Praia do Tapiá, é possível explorar duas outras saídas à direita, descidas íngremes que levam às pequenas Praias do Xandra e do Itapecirica. São percursos escorregadios, que exigem atenção máxima e não recomendados para quem não está preparado.

Importante:
Para realizar trilhas, siga algumas regras básicas: Preserve a natureza, não jogue lixo na trilha, não maltrate os animais, não entre em propriedades particulares, recolha seu lixo e dê o destino certo para ele, deixe apenas pegadas, evite fazer barulho, desfrute dos sons da natureza, cuidado para não causar incêndios na floresta, planeje bem sua caminhada e informe a alguém sobre seu passeio, proteja-se do sol, mosquitos, borrachudos e mantenha-se sempre na trilha.

Se a caminhada for extensa é indispensável alguns acessórios como um calçado confortável, calça comprida leve e macia, camiseta de manga comprida por conta do capim navalha, boné, mochila impermeável com repelente, protetor solar, máquina fotográfica, muda de roupa seca, capa de chuva, agasalho, apito, toalha, lanterna, além do lanche, água e barrinha de cereal por exemplo. Preste atenção as passadas, e desníveis causados por erosões, devido às chuvas, e a utilização de um “cajado” ajuda bastante a diminuir os impactos.

Também esteja alerta para a presença de cobras peçonhentas que são muito comuns na região da Mata Atlântica, as mais comuns são a jararaca, coral, jararacuçú e urutú-cruzeiro, e costumam ficar no meio da trilha e especialmente em lugares que bate sol.

Fazer trilhas acompanhado de um Guia Credenciado, é uma boa recomendação para garantir mais segurança e também aproveitar para conhecer a história do local.

Lembre-se: da natureza nada se tira, além de fotos e nada se leva, além de boas lembranças!!!