A Cachoeira dos 3 Poços está localizada no extremo Norte de Ubatuba, na divisa com Paraty-RJ, o percurso a partir do canto esquerdo da Praia do Camburi, inicia-se cruzando as águas rasas de um riacho, uma trilha de nível fácil, realizada até a formação dos poços principais e cachoeira em cerca de 35 minutos.

cachoeira-dos-3-pocos

A região do Camburi é dividida em: Praia, Quilombo, Cabiúna que é o nome de uma árvore de grande porte (região da Cachoeira dos 3 Poços) e Roça Grande, e durante o caminho por dentro da Mata Atlântica, passamos por árvores centenárias e percorremos as terras da reconhecida Comunidade Quilombola do Camburi, sendo também necessário cruzar mais duas vezes o rio, uma vez podendo ser sobre as pedras, e outra por uma ponte pênsil de madeira.

Cachoeira dos 3 Poços - Pedra do Cachorro

Existem formações de várias quedas de água além de mais de 70 poços naturais, culminando no final da trilha em 3 grandes poços e uma bela cachoeira, um verdadeiro paraíso escondido. Impressiona no primeiro poço uma formação rochosa que se assemelha a um cachorro, a chamada Pedra do Cachorro, também é este poço que recebe as águas através de um enorme laje. As águas do Rio do Cedro que formam esta maravilha se originam das águas da Cachoeira da Escada, próxima a divisa com Paraty além de mais alguns afluentes.

Durante o trajeto na trilha, por várias vezes cruzamos com quilombolas, moradores em trânsito local.

Cachoeira dos 3 Poços A recomendação para fazer esta trilha da Cachoeira dos 3 Poços, é contratar um guia local de ecoturismo credenciado, que também vai te contar a história da região, a formação da Comunidade, das ruínas da antiga fazenda, da serraria dos ingleses, das corridas de canoas, da trilhas para Trindade e para a Brava do Camburi, além de transmitir segurança durante o percurso. Como referencia, procurar pelo “Maurinho” (a direita na foto acima) no telefone 12 9 9755-0482.

Importante: Para realizar trilhas, siga algumas regras básicas: Preserve a natureza, não jogue lixo na trilha, não maltrate os animais, não entre em propriedades particulares, recolha seu lixo e dê o destino certo para ele, deixe apenas pegadas, evite fazer barulho, desfrute dos sons da natureza, cuidado para não causar incêndios na floresta, planeje bem sua caminhada e informe a alguém sobre seu passeio, proteja-se do sol, mosquitos, borrachudos e mantenha-se sempre na trilha.

Se a caminhada for extensa é indispensável alguns acessórios como um calçado confortável, calça comprida leve e macia, camiseta de manga comprida por conta do capim navalha, boné, mochila impermeável com repelente, protetor solar, máquina fotográfica, muda de roupa seca, capa de chuva, agasalho, apito, toalha e lanterna. Preste atenção as passadas, e desníveis causados por erosões, devidas às chuvas, e a utilização de um “cajado” ajuda bastante a diminuir os impactos. Também esteja alerta para a presença de cobras peçonhentas que são muito comuns na região da Mata Atlântica, as mais comuns são as jararacas, coral, jararacuçús e urutú-cruzeiro, e costumam ficar no meio da trilha e especialmente em lugares que bate sol.

Lembre-se: da natureza nada se tira, além de fotos e nada se leva, além de boas lembranças!!!